Filho de idosa achada morta embaixo da cama de casa que pegou fogo é indiciado por planejar o assassinato da mãe, em Goiânia

Um homem de 47 anos foi indiciado por planejar a morte da mãe, de 67, em Goiânia. De acordo com o delegado Ernane Cázer, uma vizinha matou a idosa enquanto o filho e um amigo dele esperavam ao lado de fora da residência. O corpo da vítima foi encontrado debaixo da cama da casa dela, que foi incendiada pela autora.

“A autora disse que eles combinaram com ela a entrada na casa e esperaram do lado de fora. Três dias depois, eles foram à casa da executora e buscaram os objetos subtraídos para vender”, explicou o delegado.

 

Os três não tiveram a identidade divulgada, por isso o g1 não localizou a defesa deles até a última atualização desta reportagem.

O crime aconteceu no dia 2 de outubro de 2021, mas os mandados de prisão preventiva foram cumpridos na última segunda-feira (2). Segundo o delegado, a mulher confessou a autoria e apontou a participação do filho da vítima e o amigo dele, de 36, que negaram a acusação. No entanto, a investigação provou o contrário.

Em depoimento feito à polícia durante a prisão temporária da mulher, no dia 4 de março deste ano, ela alegou que bateu a cabeça da idosa na parede e, depois que ela caiu, bateu mais uma vez no chão, quando ela perdeu a consciência. O delegado explicou que ela roubou os bens e voltou à casa para colocar fogo.

“O que chamou a nossa atenção foi a violência, o fato dela ter ateado fogo na casa para ocultar os vestígios. Foi tudo premeditado, a intenção foi apagar todos vestígios e usaram dessa forma cruel”, pontuou o delegado.

 

O corpo da idosa foi encontrado totalmente carbonizado debaixo de uma cama, mas o exame cadavérico indicou que ela morreu antes do incêndio. A polícia falou que a vítima tinha dois filhos, mas morava sozinha.

Mulher é presa por suspeita de matar e roubar idosa em Goiânia, Goiás — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Mulher é presa por suspeita de matar e roubar idosa em Goiânia, Goiás — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Inicialmente, a mulher havia alegado que cometeu o crime por achar que a vítima cometeu “feitiços” contra ela. Contudo, essa é uma expressão que manifesta intolerância religiosa. No entanto, a investigação apontou que o crime foi com a intenção de roubar e essa hipótese foi descartada.

O trio está preso no Centro de Prisão Provisória de Aparecida de Goiânia (CPP). O delegado explicou que eles foram indiciados por latrocínio, que é um homicídio com objetivo de roubo, ou um roubo seguido de morte. Se condenados, eles podem pegar entre 20 a 30 anos de prisão.

Fonte: Portal G1 Goiás

print