Justiça tenta esclarecer mistério sobre sumiço de mulher em aeroporto

Goiânia – Dois anos e três meses depois do sumiço de uma mulher de 40 anos, assim que ela chegou da Colômbia ao Aeroporto de Goiânia, o caso virou um quebra-cabeça na Justiça. Com 5 mil páginas e guerra de versões, inclusive de que o corpo teria sido incinerado em uma caldeira, o processo possui lacunas abertas por declarações dos réus, não comprovadas por perícia da Polícia Técnico-Científica de Goiás, mas que acabaram aproveitadas na denúncia.

Uma nova audiência do caso está prevista para esta segunda-feira (9/5). Apesar de o Ministério Público de Goiás (MPGO) ter denunciado três pessoas pelo suposto homicídio, o corpo de Lilian de Oliveira nunca foi encontrado. Ela desapareceu em 13 de fevereiro de 2020. Os réus, que reclamaram de ameaça e tortura, estão soltos depois de ficarem presos quase três meses, de 29 de maio a 13 de agosto de 2020.

 

Tortura

O MPGO foi contra uma manifestação da Corregedoria da Polícia Civil, que pediu arquivamento de processo disciplinar com indícios de que os réus só teriam admitido o suposto crime porque estavam sob tortura de policiais. “O inquérito policial retornou à corregedoria para novas diligências complementares, que já estão sendo realizadas”, informou a polícia, em nota ao Metrópoles.

O órgão acusou o produtor rural Jucelino Pinto da Fonseca, 61, que teve relação extraconjugal com a mulher, o que teria provocado brigas por causa de pagamento de pensão alimentícia após o nascimento de uma menina, hoje com 7 anos, cuidada por tia materna. Além dele, foram denunciados a babá Cleonice de Fátima Ferreira, 50, e Ronaldo Rodrigues Ferreira, 56. Os três foram denunciados pelo MPGO em 23 de abril de 2021.

 

“O corpo da vítima foi destruído ou ocultado pelos denunciados, e, de acordo com as versões apresentadas, pode ter sido queimado na caldeira existente na propriedade rural de Jucelino ou jogado em um dos rios existentes entre Goiânia e Pires do Rio”, diz um trecho da denúncia assinada pelo promotor de Justiça Sebastião Marcos Martins.

Reviravolta

No início das investigações, os três réus negaram o crime. No entanto, ao longo da apuração, Ronaldo admitiu participação na ação, mas apresentou duas versões diferentes: uma de que buscou Lilian no aeroporto, matou-a dentro do carro a caminho de Pires do Rio e jogou seu corpo no Rio Paranaíba. Em outro momento, disse que a levou para o laticínio de Jucelino, onde ambos reduziram o corpo a cinzas em uma caldeira.

No entanto, laudos de perícias da Polícia Técnico-Científica de Goiás negaram as duas possibilidades, considerando cruzamento de dados de localização de Ronaldo no dia e hora do suposto crime. Além disso, o relatório final indica que a fornalha não foi usada para incinerar o corpo de Lilian.

“Nenhum vestígio”

“Não foi encontrado nenhum vestígio que indique que a vítima possa ter sido carbonizada no local (dentro ou fora da caldeira). Ao contrário, os elementos constatados e inferidos por meio do experimento realizado indicam que a caldeira não foi utilizada para este fim”, afirma um trecho do laudo. A perícia também não conseguiu identificar a pessoa que buscou Lilian no aeroporto.

Consta no processo, ainda, uma carta escrita por Ronaldo, na qual ele negou as confissões e afirmou que só as fez porque “estava muito desorientado de tanto ser torturado”. Ele também relatou que deixou Lilian no laticínio, com Jucelino, e depois seguiu para Itumbiara, a 208 km de Pires do Rio.

O produtor rural, por sua vez, negou o crime inicialmente e depois admitiu ser o mandante, mas não relatou como o suposto homicídio ocorreu.

No dia da confissão, em 30 de maio de 2020, três meses e 17 dias após o desaparecimento, a família viu que ele estava com sinais de violência no corpo e chamou as comissões de direitos humanos da Ordem dos Advogados do Brasil em Goiás (OABGO) e da Câmara Municipal de Goiânia, que solicitaram imediata realização de corpo de delito.

Lesões

O laudo do exame de corpo de delito comprovou as lesões em Jucelino, que, segundo ele, teriam sido praticadas por policiais para forçá-lo a confessar o crime. Já Cleonice – que, de acordo com a denúncia, teria interesse na morte de Lilian porque queria a criança para si – escreveu uma carta na qual relatou ter assinado um termo de declarações na delegacia, sem, contudo, conhecer o conteúdo. Disse que assim o fez porque estava sofrendo ameaça de ser presa.

Embora tenha reconhecido “divergência das versões apresentadas pelos denunciados” sobre o local e a forma do crime, o MPGO se baseou nelas para fazer a denúncia, em vez de pedir diligência. “A respeito de o corpo ter sido destruído ou ocultado/descartado, as provas constantes dos autos permitem a certeza do assassinato de Lilian, sobretudo, pela afirmação de Ronaldo perante os investigadores de que ‘não existe corpo’”, afirma a denúncia.

Em resposta ao Metrópoles, o MPGO informou que o processo referente à suposta tortura de Jucelino “encontra-se em segredo de Justiça, motivo pelo qual não é possível passar mais informações”.

Famílias

A família de Jucelino reclama que a investigação foi malfeita e que não há provas de que ele e os demais estão envolvidos no crime. “Imploramos para que a Justiça veja todas as falhas da investigação, para que se possa ver com clareza o quanto a denúncia é inconsistente. Só nosso clamor não é suficiente para mostrar as incongruências. É preciso ler”, diz a filha do produtor rural, Cintia Fonseca.

Uma irmã de Lilian de Oliveira disse ter conversado com ela por meio de uma chamada de vídeo enquanto fazia as malas para voltar da Colômbia para Goiânia. No dia seguinte, ao chegar à capital goiana, ela desapareceu e, meses depois, a Polícia Civil informou que ela havia sido assassinada, apesar de não ter achado o corpo.

De acordo com a irmã da vítima, ela estava animada com a ideia de abrir uma loja de roupas em Caldas Novas.

 

Fonte: Metrópoles.

print