4 razões pelas quais a economia dos Estados Unidos parece estar desmoronando

A economia dos Estados Unidos está super estranha neste momento. Praticamente qualquer pessoa que queira um emprego, consegue um. A economia está tão aquecida que os preços estão subindo mais rápido do que em qualquer momento desde a década de 1980. O mercado imobiliário está muito aquecido. Os consumidores estão gastando como loucos.

No entanto, continuamos a ouvir a palavra “recessão” como se fosse 2007 novamente.

A verdade é que provavelmente o país não esteja em recessão agora (embora seja possível), mas há muitos sinais de que uma está chegando.

O Banco Central americano está aumentando os juros

A inflação tem sido galopante, e a ferramenta do Banco Central americano (Fed) para combater a alta dos preços está em sua capacidade de aumentar as taxas de juros. Isso torna os empréstimos mais caros e desacelera a economia – de propósito.

O problema é que o Fed foi muito tardio em aumentar as taxas. A inflação foi uma preocupação crescente ao longo de 2021, mas o banco central só começou a aumentar as taxas em março de 2022. Portanto, o Fed precisa recuperar o atraso – e tomar medidas muito mais drásticas agora do que se tivesse começado a aumentar as taxas no ano passado.

Na semana passada, o Fed elevou as taxas em meio ponto percentual, o maior aumento de taxa básica em 22 anos.

O presidente do Fed, Jerome Powell, disse este mês que o banco central continuará a aumentar as taxas em meio ponto percentual ao final de cada reunião até que esteja satisfeito com a inflação sob controle – e então continuará a aumentar as taxas em um 0,25% por um tempo.

O Fed está convencido de que pode aumentar as taxas sem mergulhar a economia em uma recessão. Mas essa chamada aterrissagem suave provou ser ilusória no passado, e muitos bancos da Wall Street acreditam que o Fed irá arquitetar uma recessão para superar a inflação.

O mercado de ações acionou o modo “vender tudo” 

O medo extremo é o sentimento predominante em Wall Street este ano. O índice Fear & Greed da CNN Business (que avalia os movimentos do mercado de ações e se as ações estão com preços justos) está em míseros seis de 100.

Depois de bater recordes no início de janeiro, o mercado de ações perdeu quase um quinto de seu valor – com as ações despencando a tal ponto próximo ao território de mercado de baixa. A Nasdaq já vem apresentando baixas. Mais de US$ 7 trilhões evaporaram do mercado de ações este ano.

Preocupados que as taxas de juros mais altas corroerão os lucros das empresas, os investidores estão rumando para as saídas.

Isso é uma má notícia para os planos de aposentadoria das pessoas. Também é uma notícia indesejável para vários investidores que dependem do mercado para obter renda, incluindo day traders que contaram com o crescimento do mercado de ações em linha praticamente reta durante a maior parte da década. E também não é bom para o sentimento do consumidor.

Embora uma minoria de americanos invista ativamente no mercado de ações, quando se vê um mar de números em queda nas telas de seus computadores e celulares, isso historicamente tem feito as pessoas darem uma pausa. Em maio, o sentimento do consumidor caiu para seu nível mais baixo em 11 anos.

Essa é uma notícia potencialmente ruim para a economia, porque os gastos do consumidor representam mais de dois terços do produto interno bruto dos Estados Unidos.

O mercado de títulos 

Quando os investidores não gostam tanto de ações, eles geralmente mudam para títulos. Não dessa vez.

Tesouros seguros do governo dos EUA estão sendo vendidos. Quando os preços dos títulos caem, os rendimentos aumentam – e os rendimentos do Tesouro de 10 anos chegaram a 3% este mês pela primeira vez desde 2018.

Isso normalmente acontece quando o Fed aumenta as taxas – o custo mais alto dos empréstimos torna os títulos menos valiosos quando vencem, portanto, um pagamento de juros mais alto sobre os títulos (o rendimento) ajudará a compensá-los e torná-los mais atraentes para os investidores.

Os títulos também foram vendidos quando o Fed decidiu desfazer seu enorme portfólio de títulos do Tesouro que vinha comprando desde a pandemia para fortalecer a economia.

À medida que os títulos foram vendidos e os investidores ficaram mais temerosos de uma desaceleração econômica, a diferença entre os rendimentos dos títulos de curto e longo prazo diminuiu.

Os rendimentos da nota do Tesouro de dois anos subiram brevemente acima dos da nota de referência de 10 anos em março, pela primeira vez desde setembro de 2019. Essa chamada inversão da curva de juros precedeu todas as recessões desde 1955, produzindo um “falso positivo” apenas uma vez, de acordo com o Federal Reserve Bank de São Francisco.

Caos ao redor do globo 

Nada disso está acontecendo no vácuo. A Rússia continua sua invasão na Ucrânia, que sufocou as cadeias de suprimentos e elevou os preços da energia. A China continua colocando em lockdown algumas de suas maiores cidades enquanto os casos de Covid-19 continuam altos. E a escassez de mão de obra fez com que os salários subissem e dificultou o fluxo normal de mercadorias em todo o mundo.

A Rússia continua ameaçando os países europeus de cortar seus embarques de energia, o que poderia mergulhar as economias da União Europeia em uma recessão. A economia da China desacelerou drasticamente, pois mantém os trabalhadores em casa como parte de sua política de Covid zero.

O que acontece no exterior também pode afetar os Estados Unidos, prejudicando a economia americana no pior momento possível.

 

Com informações de Allison Morrow e Jeanne Sahadi, da CNN Business.

Fonte: CNN Brasil.

print