PF nega que corpos de jornalista e indigenista tenham sido encontrados

A Polícia Federal (PF) negou, na manhã desta segunda-feira (13/6), que corpos tenham sido encontrados na região do desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips. De acordo com o jornalista André Trigueiro, a esposa de Dom lhe informou que as equipes de buscas teriam localizado os cadáveres dos dois homens.

Diferente da versão veiculada pelo jornalista, a instituição ressaltou que nenhum corpo foi encontrado. Segundo Trigueiro, Alessandra teria sido comunicada sobre a descoberta pela própria PF.

Veja a íntegra do comunicado de imprensa enviado pela PF:

“O Comitê de crise, coordenado pela Polícia Federal/AM, informa que não procedem as informações que estão sendo divulgadas a respeito de terem sido encontrados os corpos do Sr. Bruno Pereira e do Sr. Dom Phillips.

Conforme já divulgado, foram encontrados materiais biológicos que estão sendo periciados e os pertences pessoais dos desaparecidos. Tão logo haja o encontro, a família e os veículos de comunicação serão imediatamente informados.”

Após a Polícia Federal ter localizado, ao longo da semana, rastros de escavação e de barco arrastado, material genético e até pertences das vítimas, a esposa de Dom, Alessandra Phillips, confirmou ao jornalista André Trigueiro que os dois profissionais desaparecidos foram encontrados sem vida na região das buscas.

Dom Phillips e Bruno Pereira desapareceram em 5 de junho, na região do Vale do Javari, no Amazonas. Ambos faziam pesquisa para um livro no qual Dom trabalhava. Ele é colaborador do jornal britânico The Guardian e tem experiência na cobertura da região.

Bruno é servidor de carreira da Fundação Nacional do Índio (Funai) e estava de licença do órgão desde que foi exonerado, em 2019. Ele acompanhava o britânico na investigação sobre pesca e extração de madeira ilegal na região. Os dois profissionais desapareceram no deslocamento a barco entre a comunidade ribeirinha de São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte.

Fonte: Metrópoles.

print