Guerra na Ucrânia atinge momento crucial para fim do conflito, avalia Ocidente

Os militares da Ucrânia estão gastando munição da era soviética que se encaixa em sistemas mais antigos, enquanto o país pede ao Ocidente que envie mais armamento pesado e a Rússia acumula uma vantagem significativa de artilharia em torno de duas cidades estrategicamente importantes no leste ucraniano.

Autoridades militares e de inteligência ocidentais acreditam que a guerra está em um estágio crítico que pode determinar o resultado a longo prazo do conflito, de acordo com várias fontes de dos Estados Unidos e outros serviços de inteligência ocidentais.

Este momento crucial também pode forçar uma decisão difícil para os governos ocidentais, que até agora ofereceram apoio à Ucrânia a um custo cada vez maior para suas próprias economias e estoques nacionais de armas.

O secretário de Defesa americano, Lloyd Austin, deve liderar um grupo de trabalho de quase 50 países para discutir a crise nesta quarta-feira (15), quando os EUA devem anunciar novos envios de armas e equipamentos para a Ucrânia.

Autoridades ucranianas expressaram frustração porque essas munições vitais parecem estar chegando aos poucos na luta – e levantaram temores de que o compromisso ocidental possa estar diminuindo em um momento decisivo.

“Acho que estamos prestes a chegar ao ponto em que um lado ou outro terá sucesso”, disse um alto funcionário da Otan. “Ou os russos chegarão a Slovyansk e Kramatorsk ou os ucranianos os impedirão aqui. E se os militares da Ucrânia conseguirem manter sua linha de frente neste local, diante desse número de forças, isso será importante”.

Três possíveis resultados

Autoridades ocidentais estão observando de perto três cenários possíveis que eles acreditam que podem se desenrolar:

  • A Rússia pode continuar a obter ganhos incrementais em duas importantes províncias do leste
  • As linhas de batalha ucranianas podem endurecer em um impasse que pode se arrastar por meses ou anos, levando a tremendas baixas de ambos os lados e uma crise lenta que continuará a prejudicar economia global.
  • A Rússia pode redefinir seus objetivos de guerra, anunciar que alcançou a vitória e tentar arquitetar um fim do combate

Por enquanto, este último cenário parece ser o menos provável, pouco mais do que uma ilusão, dizem as fontes.

Se a Rússia for capaz de consolidar alguns de seus ganhos no leste, as autoridades norte-americanas temem que o presidente russo, Vladimir Putin, possa eventualmente usar esse território como plataforma para avançar ainda mais na Ucrânia.

“Tenho certeza de que, se a Ucrânia não for forte o suficiente, eles irão mais longe”, alertou o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, na terça-feira (14), em uma tentativa de instigar o Ocidente a enviar armas mais rapidamente. “Mostramos a eles nossa força. E é importante que essa força também seja demonstrada conosco por nossos parceiros ocidentais”.

A ajuda militar ocidental, disse Zelensky, “tem que vir mais rápido” se os aliados da Ucrânia quiserem frustrar as ambições territoriais russas.

Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, durante pronunciamento em Kiev / 11/06/2022 REUTERS/Valentyn Ogirenko

As autoridades ocidentais acreditam amplamente que a Rússia está em uma posição mais favorável no leste. Ainda assim, “o progresso russo não é uma conclusão inevitável”, disse um alto funcionário do governo Biden.

À medida que as linhas de frente do conflito se estabeleceram em uma guerra de atrito construída em torno de artilharia, ambos os lados sofreram tremendas baixas e agora enfrentam potenciais déficits de mão de obra.

A Rússia também sofreu perdas de até um terço de sua força terrestre, e oficiais de inteligência dos EUA disseram publicamente que os militares russos lutarão para obter ganhos importantes sem uma mobilização completa, um movimento politicamente perigoso que Putin até agora não está disposto a fazer.

Por enquanto, a luta está centrada em duas cidades irmãs em lados opostos do rio Donets, Severodonetsk e Lysychansk. Os combatentes ucranianos estão quase completamente cercados em Severodonetsk.

Embora os analistas ocidentais acreditem que a Ucrânia tem uma chance melhor de defender Lysychansk, que fica em terreno alto, já existem sinais preocupantes de que a Rússia está tentando cortar as linhas de abastecimento da cidade.

“De muitas maneiras, o destino de nosso Donbass está sendo decidido” em torno dessas duas cidades, disse Zelensky na semana passada.

Preferência por sistemas soviéticos

Autoridades dos EUA insistem que as armas ocidentais ainda estão fluindo para as linhas de frente da luta. Mas relatos locais de escassez de armas – e pedidos frustrados de autoridades ucranianas – levantaram questões sobre a eficácia do envio de suprimentos. A Ucrânia implorou não apenas por artilharia pesada, mas também por suprimentos ainda mais básicos, como munição.

Parte do problema, dizem as fontes, é que, embora a Ucrânia esteja ficando sem munições soviéticas antigas que se encaixem nos sistemas existentes, também há obstáculos para a transição de seus combatentes para sistemas ocidentais compatíveis com a Otan.

Javelin, o míssil antitanque que se tornou símbolo da ajuda ocidental à Ucrânia / Michael Ciaglo/Getty Images

Por um lado, treinar soldados nesses sistemas leva tempo – e leva os combatentes necessários para longe do campo de batalha.

Em alguns casos, de acordo com uma fonte da inteligência dos EUA, a Ucrânia está simplesmente optando por não usar os sistemas ocidentais desconhecidos. Por exemplo, apesar de receber centenas de drones Switchblade, algumas unidades preferem usar drones comerciais equipados com explosivos que são mais fáceis de usar.

O governo Biden anunciou um novo pacote de ajuda no início deste mês que incluía o Sistema de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade, ou HiMARS , que é capaz de lançar uma barragem de foguetes e mísseis e que a Ucrânia havia solicitado com urgência por semanas.

Mas, embora um pequeno grupo de soldados ucranianos tenha começado a treinar no sistema quase imediatamente após o anúncio do pacote, o armamento requer três semanas de treinamento e ainda não entrou na luta. O alto funcionário da defesa disse apenas que o sistema entrará na Ucrânia “em breve”.

Enquanto isso, há um número limitado de munições da era soviética ainda existentes em outras partes do mundo que podem ser enviadas para a Ucrânia. Os EUA estão pedindo às nações com estoques mais antigos que descubram o que têm disponível, mas a batalha de artilharia punitiva está “limpando o material soviético da face da terra”, de acordo com uma autoridade norte-americana.

Embora os EUA tenham uma visão clara das perdas russas no campo de batalha, desde o início lutam para avaliar a força de combate da Ucrânia. Autoridades reconheceram que os EUA não têm uma noção clara de para onde vão as armas ocidentais ou com que eficácia são usadas quando chegam a Ucrânia.

O alto funcionário do governo Biden disse à CNN que os americanos estão tentando “entender melhor a taxa de consumo e o ritmo operacional [dos ucranianos]”. “É difícil saber”, disse. Mas está claro que a Ucrânia está usando muito a artilharia que as nações ocidentais forneceram.

Membros da unidade de voluntários estrangeiros que lutam no Exército ucraniano, enquanto ataque russo continua em Sievierodonetsk / Reuters

Esse ponto cego é em parte porque a Ucrânia não conta tudo ao Ocidente, dizem autoridades ocidentais. E como os combates estão concentrados em uma área tão pequena e relativamente próxima da Rússia, os serviços de inteligência ocidentais não têm a mesma visibilidade que têm em outros lugares.

Também é difícil prever como as forças armadas da Ucrânia se comportarão neste momento crucial porque, à medida que as baixas aumentam, voluntários civis treinados às pressas estão sendo enviados para a luta, acrescentou o funcionário da Otan. Seu desempenho no conflito é desconhecido.

“Uma coisa é ter pessoas disponíveis, mas a questão é, eles estão prontos para a luta? Acho que você vai ver isso como um fator”, disse o oficial.

Putin ainda quer muito, se não tudo, da Ucrânia

Na avaliação do subsecretário de Defesa para Políticas dos Estados Unidos, Colin Kahl, os objetivos do presidente russo, Vladimir Putin, ainda podem envolver tomar o controle do território ucraniano.

“Ainda acho que ele tem projetos em uma porção significativa da Ucrânia, senão em todo o país. Dito isso, não acho que ele possa alcançar esses objetivos”, disse Kahl em um evento organizado pelo Center for New American Security nesta terça-feira (14).

“Eles podem obter ganhos táticos aqui e ali. Os ucranianos estão resistindo. Não acho que os russos tenham capacidade para atingir esses objetivos grandiosos.”

 

Fonte: CNN Brasil.

print