Levantamento mostra empate técnico entre governador e ex-prefeito de Aparecida de Goiânia

O governador Ronaldo Caiado (União Brasil) lidera a pesquisa Fox Mappin, encomendada pelo Jornal O Hoje, com 31,26% das intenções de voto. O levantamento ocorreu entre 28 e 31 de maio com 870 entrevistados. Trata-se de uma pesquisa estimulada, quando os nomes dos possíveis candidatos são informados aos eleitores.

Este levantamento ocorreu por meio de entrevistas pessoais, telefônicas, além de formulário digital enviado a grupos segmentados. O nível de confiança é de 95% para uma margem estimada de erro desejado de 3,32% para os resultados.

Ainda de acordo com a pesquisa, o ex-prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha (Patriota), aparece em segundo lugar (empate técnico com Caiado) com 29,43%. Ele é seguido pelo ex-governador Marconi Perillo (PSDB), 10,23%. O tucano, contudo, ainda não definiu se concorrerá ao governo ou ao Senado.

Depois deles vêm o ex-reitor da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), Wolmir Amado (PT), 4,25%; e o deputado federal major Vitor Hugo (PL), 2,76%. Foram incluídos, também, Weslei Garcia (PSOL), 1,38%, apesar de Cintia Dias ser a pré-candidata do PSOL; e José Eliton (PSB), 0,69%; que retirou o nome da disputa no fim de maio.

Completam a lista: Helga Martins (PCB), 0,69%; e Edigar Diniz (Novo), 0,69%. Além disso, 18,62% dos eleitores disseram que não votariam em nenhum dos listados ou preferiram não opinar.

Segundo o próprio instituto, “os 18,62% da amostra relatam que vão decidir, a partir das propostas apresentadas pelos candidatos durante suas campanhas”.

Confira os números:

Ronaldo Caiado (União Brasil) – 31,26%

Gustavo Mendanha (Patriota) – 29,43%

Marconi Perillo (PSDB) – 10,23%

Wolmir Amado (PT) – 4,25%

Major Vitor Hugo (PL) – 2,76%

Weslei Garcia (PSOL) – 1,38%

José Eliton (PSB) – 0,69%

Helga Martins (PCB) – 0,69%

Edigar Diniz (Novo) – 0,69%

Nenhum / Não Opinou – 18,62%

Pesquisa

O levantamento foi realizado entre os dias 28 a 31 de maio de 2022, com o objetivo de consultar a população sobre o desempenho do Governo e também acerca das intenções de voto para governador no pleito deste ano. O universo desta pesquisa abrange residentes em todas as regiões do estado.

Para a aferição dos indicadores, foi utilizada uma amostra de 870 entrevistados, sendo esta estratificada segundo gênero, faixa etária acima de 16 anos, nível de escolaridade e amostra proporcional da população dos municípios.

Como já citado, o trabalho de levantamento de dados foi feito através de entrevistas pessoais, telefônicas, além de formulário digital enviado a grupos segmentados. O nível de confiança é de 95% para uma margem estimada de erro desejado de 3,32% para os resultados.

Governo Caiado também foi avaliado pelo FoxMappin

O instituto de pesquisa também apresentou os primeiros resultados sobre os três primeiros anos de gestão do governador Ronaldo Caiado. A metodologia foi a mesma utilizada na pesquisa de intenção de votos.

Os goianos, conforme mostrado em reportagens anteriores do Jornal O Hoje, opinaram sobre Saúde, Educação, Segurança, Infraestrutura, Saneamento, Política Salarial e Geração de Emprego. Os melhores resultados da gestão foram alcançados para os três primeiros setores.

Dentre os pontuados, o governo é melhor avaliado na Segurança Pública. Isso porque mais da metade da população goiana (53,56%) considerou os últimos três anos ótimos ou bons nesse quesito. Outros 26,67% consideraram regular. 17,47% disseram ter sido ruim ou péssimo. Outros 2,30% não souberam responder ao questionamento.

Na Saúde, outro ponto crucial, senão mais importante, o resultado também foi positivo para o governo. 44,02% do eleitorado consideraram a gestão Caiado ótima ou boa para esse segmento. Outros 31,38% avaliaram como regular. Ruim ou péssimo reuniram 22,53% das respostas. 2,07% não souberam responder ou preferiram não opinar sobre o assunto.

No ranking dos pontos mais bem avaliados, a Educação fica em terceiro lugar. Ao serem questionados sobre o assunto, 39,66% dos entrevistados consideraram a Educação em Goiás ótima ou boa nos últimos três anos. A fatia que avaliou como regular corresponde a 29,89% dos consultados. 26,67% consideraram ruim ou péssima e pouco mais de 3% não soube o que dizer quando questionados.

Ainda consta a Infraestrutura. O resultado positivo foi um pouco mais tímido quando comparado com a Educação, porém, com um estreito diferencial. Neste ponto, a gestão Caiado foi avaliada como ótima ou boa por 36,09% dos goianos. Mais de 30% consideraram a atuação frente à infraestrutura regular (30,46%). Os que responderam ruim ou péssimo correspondem a 29,54%. Quase 4% (3,91%), por sua vez, não responderam.

Em relação ao Agronegócio, a maior fatia dos consultados não sabe dizer se o governador ajudou ou não esse setor ao longo de sua gestão. O público que não soube opinar sobre o assunto equivale a 34,60% dos entrevistados. Na sequência, aparecem aqueles que acreditam que o chefe do Executivo ajudou muito o segmento. Para este tópico, foram 31,72% das respostas computadas. Outros 20% disseram que Caiado ajudou pouco. E 13,68% consideraram indiferente a atuação do governador.

A pesquisa, revela, ainda, a avaliação sobre Saneamento, Geração de Empregos e Política Salarial dos servidores públicos. Sobre o primeiro, a gestão contou com respostas ótimas ou boas de 37,47% dos goianos. Os que consideram a condução dos últimos três anos regular somam 34,48%. A resposta ruim ou péssima aparece em 24,48% das respostas. 3,56% não souberam responder.

Para a Geração de Empregos, são 33,22% das avaliações positivas (ótimas/boas). Outra fatia considerável, 33,10%, respondeu “regular” ao serem questionados pelos pesquisadores. 28,51% avaliaram os últimos três anos como ruins ou péssimos. Mais de 5%, precisamente 5,17%, não souberam responder.

O último resultado do governo está na Política Salarial dos servidores públicos. Além de reunir a menor quantidade avaliações positivas (27,82% responderam ótimo ou bom), o tema reúne a maior fatia de respostas ruins ou péssimas (28,16%). No quesito regular, foram 22,30% das respostas. 21,72% não souberam responder.

Fonte: O Hoje

print