Para caminhoneiros, encher o tanque de combustível ficou 30% mais caro em 2022

São Paulo - Posto de gasolina em Pinheiros.

Encher o tanque de combustível de um caminhão no Brasil encareceu em média 30% nestes primeiros 6 meses. Um caminhão de grande porte com capacidade para 400 litros de combustível, amentou de R $2.170,4 em janeiro para R $2.813,6 neste mês.

A partir de uma pesquisa de levantamento do Instituto Paulista do Transporte de Carga (IPTC), desde janeiro, o gasto para abastecer com diesel S-10 , um tanque de combustível com capacidade de 280 litros, em comparação há esse mês, a diferença chega a R$ 450,24.

Para o presidente do conselho superior do Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região (Setcesp), os combustíveis são o principal recurso a impactar no custo final das operações de transporte. E relata, que a única alternativa para o transportador é o repasse imediato de toda a cadeia logística, diante da defasagem maior de tarefas.

De acordo com o IPTC, o reajuste recente feito pela Petrobrás, eleva os custos de transporte de cargas, sacrificando as operações a longas distâncias e atingindo ainda mais os custos para longas viagens, acima de 6000 km.

Outro ponto, é o impacto do valor do diesel em relação ao frete. Algumas pesquisas da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), mostra que 60% do valor total é impactado pelo diesel, e que 40% ficam para pedágios, impostos e alimentação.

Os caminhoneiros também alegam que muitos embarcadores não respeitam a tabela de fretes e ofertam valores bem abaixo do estimulado. Aqueles que ainda são caminhoneiros autônomos são impactos ainda mais ao encher o tanque do caminhão.

Fonte: O Hoje

print