Rússia oferece dinheiro e vantagem em universidades para atrair voluntários à Ucrânia

Em toda a Rússia, batalhões de voluntários estão sendo formados para a guerra na Ucrânia, juntando-se à chamada “operação militar especial” declarada pelo presidente Vladimir Putin em fevereiro.

A chamada foi enviada com apelo tanto para o patriotismo quanto para as carteiras dos russos. Nem sempre é necessária experiência militar relevante. O recado foi espalhado de Murmansk, no Círculo Polar Ártico, à Perm, nos Urais, e Primorsky Krai, no Extremo Oriente russo.

Ao todo, os analistas avaliam que mais de 30.000 voluntários podem ser mobilizados para complementar as fileiras russas esgotadas por cinco meses de combate – entre um quarto e um terço da força mobilizada para conquistar a região leste de Donbas, onde a maioria dos voluntários provavelmente será enviada.

Na semana passada, Richard Moore, chefe do MI6, serviço secreto de inteligência do Reino Unido, disse a Jim Sciutto, da CNN, que “os russos terão cada vez mais dificuldade em fornecer mão de obra e material nas próximas semanas”.

Putin há muito resiste à ideia de uma mobilização geral na Rússia, e a convocação desta primavera foi semelhante à de 2021. Esses batalhões são uma maneira de aumentar o efetivo militar da Rússia sem uma medida tão drástica. Eles também parecem estar focados em regiões mais pobres e isoladas, usando a atração do dinheiro rápido.

Cartaz de recrutamento convocando "homens de verdade" de até 49 anos para se juntarem à luta na Ucrânia promete altos salários, além de treinamento e seguro
Cartaz de recrutamento convocando “homens de verdade” de até 49 anos para se juntarem à luta na Ucrânia promete altos salários, além de treinamento e seguro / Divulgação

O impacto que esses batalhões podem ter é uma questão em aberto. Unidades de voluntários chechenos desempenharam um papel descomunal na campanha de Donbas, especialmente em Mariupol. Mas eles estão relativamente bem equipados e têm uma vasta experiência militar. Os batalhões reunidos em outros lugares claramente não.

Kateryna Stepanenko, pesquisadora russa do Instituto para o Estudo da Guerra em Washington, diz: “Alguns batalhões participarão exclusivamente de apoio ao combate e operações de apoio ao combate (como batalhões de logística ou de sinalização), enquanto outros reforçarão unidades militares pré-existentes ou formar batalhões de combate.”

Mas ela acrescenta: “É improvável que o treinamento de curto prazo transforme voluntários sem experiência prévia em soldados eficazes em qualquer unidade”.
A CNN pediu comentários do Ministério da Defesa russo sobre o programa do batalhão de voluntários.

Patriotismo e dinheiro

Stepanenko diz que o processo está sendo conduzido de Moscou. “O Kremlin supostamente ordenou que todos os 85 súditos federais russos (regiões da Federação Russa mais a Crimeia ocupada e Sebastopol) recrutassem batalhões voluntários para evitar declarar mobilização parcial ou total na Rússia”.

Mas espera-se que as regiões ajudem a financiar o recrutamento, o que, segundo ela, “coloca uma forte pressão nos orçamentos regionais”. Krasnoyarsk, na Sibéria, por exemplo, teve que reservar cerca de US$ 2 milhões para o projeto, disse Stepanenko.

As qualificações exigidas para ingressar variam de lugar para lugar. Um folheto online em Kazan, no Tartaristão, disse: “Convidamos homens com menos de 49 anos que serviram anteriormente nas forças armadas e oferecemos um contrato de 4 meses em sua especialização militar”.

Em outros lugares, homens até a idade de 60 anos sem antecedentes criminais são elegíveis. Muitas vezes, não há exigência de experiência militar anterior listada em avisos online.

A postagem do Perm – sob a manchete “Um trabalho para homens de verdade” – busca “patriotas corajosos, ousados, corajosos, autoconfiantes, extraordinários e completos de nossa nação”.

De acordo com as postagens, cerca de um mês é destinado ao treinamento – não muito para uma situação em que os recrutas têm pouca ou nenhuma experiência militar.

De acordo com a política padrão do Ministério da Defesa da Rússia, todos os recrutas que assinam um contrato devem ter quatro semanas de treinamento em armas combinadas. Não está claro se esse mesmo regime está sendo estendido a todos os voluntários.

Alguns dos batalhões voluntários já passaram pelo campo de treinamento Mulino, perto de Nizhny Novgorod, de acordo com postagens nas redes sociais.

Os contratos dos voluntários costumam ser de quatro meses a um ano. Eles prometem salários muito mais altos do que a média nas regiões russas. Por exemplo, os batalhões que estão sendo formados em Perm e na região ocidental russa de Kirov oferecem uma renda a partir de 300.000 rublos mensais (cerca de US$ 5.000), enquanto em Bashkortostan, perto da fronteira com o Cazaquistão, o mínimo é de 280.000 rublos. Voluntários de Bashkir de Bashkortostan são prometidos um adicional de 8.000 rublos por dia para operações de combate.

Um anúncio que circula nos canais de mídia social em Bashkortostan dizia: “Durante o verão, você pode ganhar facilmente cerca de um milhão de rublos!”

O salário médio mensal nessas áreas está entre 30.000 e 45.000 rublos, cerca de um décimo do que um voluntário pode receber se for destacado para a linha de frente.

Existem outras vantagens também. Em Perm e Kirov, os filhos de voluntários recebem a promessa de admissão preferencial nas universidades. Os voluntários receberão o status de “veterano de combate”, concedendo-lhes uma bolsa mensal vitalícia e descontos em moradia e transporte.

E há uma escala de compensação para baixas no campo de batalha, em alguns casos mais de 3 milhões de rublos por ferimentos graves. Se um voluntário for morto, sua família receberia 12,4 milhões de rublos do orçamento federal e 2 milhões da região.

Alguns voluntários disseram à publicação online Verstka que são motivados pelos salários, para que, por exemplo, possam construir uma casa. Outros parecem inspirados pelo patriotismo; alguns parecem simplesmente querer uma aventura.

Um deles, chamado Vitaly, disse a Verstka: “Respeito as conquistas de nossos ancestrais e é difícil para mim vê-los sendo cuspidos. E, claro, há o bônus agradável na forma de pagamentos que o governo oferece”.

Outros disseram a Verstka que foram inspirados a livrar a Ucrânia do nazismo, uma indicação do poder da mídia estatal russa, que incansavelmente obstruiu a noção de que a ação da Rússia é desnazificar a Ucrânia.

Se todas as regiões russas gerassem um batalhão, o custo seria considerável. Kateryna Stepanenko estima que uma unidade de 400 homens custaria US$ 1,2 milhão por mês em salários, o que ela diz ser caro, já que o programa não produzirá unidades de elite.

Do Ártico à Ásia Central

Voluntários chechenos foram os primeiros a entrar na Ucrânia logo após o início da invasão. O Batalhão Vostok entrou em ação em Mariupol, onde esteve proeminentemente envolvido em operações de infantaria. O líder checheno, Ramzan Kadyrov, frequentemente idolatrava o Batalhão Vostok.

No final de abril, Kadyrov disse em seu canal Telegram que “centenas de bravos soldados de diferentes cantos de nosso imenso país decidiram fazer parte do exército de libertação russo”.

E em maio, ele disse que 200 “guerreiros da boa vontade” estavam se formando na Universidade Russa de Forças Especiais em Gudermes e partindo para a Ucrânia toda semana.

Segundo algumas estimativas, cerca de 8.000 chechenos foram lutar na Ucrânia. Eles estiveram fortemente envolvidos nas campanhas para tomar Severodonetsk e Lysychansk.

Voluntários da Buriácia, no Extremo Oriente russo, também foram envolvidos desde o início; vários foram mortos, incluindo um conhecido por lutar na Síria.

Mais recentemente, outras regiões russas se intensificaram. Um caso proeminente é a república de Bashkortostan.

Um oficial da marinha aposentado, Alik Kamaletdinov, anunciou nas redes sociais que estava recrutando para um batalhão de voluntários porque “Bashkiria sempre foi um pilar de nosso estado em tempos difíceis. … Vamos apoiar nosso país e nosso presidente Vladimir Vladimirovich Putin não com palavras mas por ações!”

O governador de Bashkortostan, Radiy Habirov, postou no Telegram na semana passada: “Hoje estamos despedindo o segundo batalhão Bashkir para o Donbas”.

“Assim, mais de 800 voluntários, todos filhos de Bashkortostan, irão defender nosso país e o irmão Donbass.”

Outras regiões que começaram a levantar batalhões voluntários incluem Chelyabinsk nos Urais e Primorsky no Extremo Oriente russo. Fotos de quase 300 voluntários de Chelyabinsk foram postadas na semana passada.

O chefe do escritório de recrutamento no Tartaristão, Evgeniy Tokmakov, disse em entrevista coletiva que “os batalhões devem ser formados apenas por nativos do Tartaristão, para que possam se juntar às fileiras, ficar ombro a ombro, conhecer uns aos outros”.

Várias unidades de combatentes cossacos também estão sendo formadas – o que não é uma surpresa, uma vez que eles estiveram proeminentemente envolvidos no leste da Ucrânia em 2014. A região de Orenburg já enviou três batalhões cossacos para a guerra.

O ritmo de recrutamento está aumentando – nos últimos dias, as regiões de Murmansk, no Círculo Polar Ártico, e Tyumen, na Sibéria Ocidental, anunciaram a formação de unidades de voluntários.

‘Uma multidão com rifles’

Ainda não está claro como esses batalhões – a maioria é menor que um batalhão normal – serão integrados à operação russa. As unidades Tatar e Bashkir serão transformadas em batalhões de fuzileiros motorizados.

O batalhão de voluntários criado em Primorsky Krai será composto apenas por moradores locais e apoiará a 155ª Brigada de Guardas da Marinha, segundo autoridades regionais.

Há sinais de que a escassez de mão de obra russa na Ucrânia está começando a afetar. O Centro de Combate à Desinformação da Ucrânia diz que encontrou vagas de emprego para mais de 20.000 militares russos contratados em centros regionais de emprego.

Houve relatos persistentes de que alguns grupos táticos do batalhão tiveram que ser reconstituídos. Mas, como disse um analista, um batalhão é mais do que “uma multidão com fuzis”.

Stepanenko, do Instituto para o Estudo da Guerra, disse que “esses recrutas mal treinados provavelmente serão usados ​​como bucha de canhão, dado o tratamento russo anterior de recrutas e unidades de procuração”.

É difícil imaginar como esses grupos díspares sem conhecimento do espaço de batalha e habilidades militares enferrujadas ou inexistentes influenciarão o conflito. A tarefa da infantaria entre as forças russas tem sido em grande parte ocupar lugares já destruídos pelo fogo indireto.

Mesmo assim, disse Stepanenko, os russos estão “continuando a sofrer grandes perdas sem ganhar muito terreno. Portanto, eles exigem um fluxo constante de mão de obra russa para compensar suas perdas”.

Os militares ucranianos estão rastreando a formação das unidades. Vadym Skibitskyi, porta-voz da Diretoria Principal de Inteligência, disse que a Rússia planeja formar 16 novos batalhões até o final de julho.

Ele disse ao portal online Krym.Reali que “de acordo com nossas estimativas, haverá cerca de 4.000 pessoas em cada região, incluindo a Crimeia”. Skibitskyi confirmou à CNN que seus comentários foram relatados com precisão, mas se recusou a fornecer mais detalhes. Stepanenko acredita que o objetivo final é uma forma de mobilização furtiva.

“Putin parece não ter confiança de que as pesquisas e os protestos de apoio à guerra sobreviverão a um esforço geral de recrutamento. O recrutamento para batalhões voluntários ou mobilização secreta afeta apenas uma pequena porcentagem de militares e suas famílias”, disse Stepanenko.

“Tal separação permite que Putin controle o surgimento da invasão sem perturbar a maioria da população masculina russa e suas famílias.”

 

Fonte: CNN Brasil.

print