Em prisão domiciliar, Roberto Jefferson é lançado pelo PTB como candidato ao Planalto

O Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) oficializou nesta segunda-feira, 1º, a candidatura do ex-deputado federal Roberto Jefferson à Presidência da República. Jefferson é presidente de honra do partido e teve seu nome aclamado por unanimidade. A convenção, no entanto, não contou com a sua presença, já que ele está em prisão domiciliar desde janeiro deste ano por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele é acusado de tumultuar o processo eleitoral e proferir discursos de ódio e atacar instituições democráticas.

Apesar da escolha do PTB, Jefferson está inelegível. Em 2012, ele foi condenado pelo STF a 7 anos e 14 dias de prisão. A pena terminou em 2019. Segundo a Lei da Ficha Limpa, condenados em julgamentos colegiados seguem inelegíveis por 8 anos depois do cumprimento da pena. Ou seja, Jefferson segue sem poder concorrer até 2027. Em 2016 ele recebeu um indulto do ministro Roberto Barroso, do STF. A decisão declarou a pena extinta.

Jefferson afirmou, em vídeo, que sua candidatura não pretende rivalizar com a tentativa de reeleição do presidente Jair Bolsonaro. Segundo ele, o objetivo é ampliar o número de alternativas à direita. “Agora, em 2022, Bolsonaro se candidata à reeleição sozinho, contra tudo e contra todos, enquanto a esquerda se apresenta como um polvo com vários tentáculos na forma de múltiplas candidaturas, preenchendo todos os nichos possíveis desse eleitorado”, disse, em vídeo exibido durante a convenção.

“O candidato de direita tem seu eleitorado inibido. Não se reconecta com os descontentes, os famosos isentões, e gera uma gigantesca abstenção que termina por eleger um candidato de esquerda pela minoria do eleitorado. É uma luta injusta”, acrescentou. O PTB não divulgou se o candidato a vice na chapa está definido.

O presidente estadual do PTB, Eduardo Macêdo, avaliza a candidatura de Roberto Jefferson. “A candidatura de Roberto Jefferson tem o intuito de fazer com que a direita seja bem representada, inclusive, um escudo para o presidente Jair Bolsonaro quando ele for atacado nos debates. Roberto tem conhecimento de causa do Brasil. É um candidato que vai trazer peso político ao País. Nós entendemos que o PTB acertou ao decidir lançar a candidatura dele à Presidência”, disse ao Jornal Opção. Apesar disso, ele enfatiza que os candidatos da legenda não estão impedidos de apoiarem a reeleição do atual chefe do Executivo nacional.

Perfil

Advogado nascido em Petrópolis (RJ), Roberto Jefferson tem 69 anos e circula há décadas na política nacional. Antes de fazer carreira na política, chegou a participar de programas de televisão na década de 1980. Participou dos programas Aqui e Agora, em uma espécie de juri simulado, na TV Tupi; e do programa Domingo à Noite, na TVS, atualmente SBT. Também foi apresentador do programa O Povo na TV, também na TVS.

Seu primeiro mandato como deputado federal foi em 1983 e depois disso emendou seis mandatos consecutivos. Teve seu mandato cassado após confessar participação no esquema do mensalão. Ficou conhecido nacionalmente por denunciar o esquema de compra de votos, escândalo do qual também participou. Foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Em agosto de 2021, Jefferson teve prisão preventiva decretada pelo ministro Alexandre de Moraes por ataques às instituições em redes sociais. Suas contas em redes sociais também foram bloqueadas. Em janeiro deste ano, por questões de saúde, Jefferson passou a cumprir prisão domiciliar.

 

Fonte: Jornal Opção.

print