Vídeos supostamente mostram soldados russos castrando prisioneiro ucraniano

Vídeos que supostamente mostram soldados russos castrando e matando um soldado ucraniano amarrado e amordaçado estão circulando nas mídias sociais, atraindo uma acusação das Nações Unidas de possíveis crimes de guerra e instigando uma investigação ucraniana sobre possível tortura.

Os três vídeos parecem mostrar um soldado vestindo o que parecem ser manchas amarelas e azuis – as cores da bandeira ucraniana – no chão, com as mãos amarradas nas costas, primeiro sendo amordaçado, depois mutilado e depois baleado.

CNN não pode verificar de forma independente a autenticidade dos vídeos que circularam amplamente nas mídias sociais depois de aparecer pela primeira vez em um canal pró-Rússia do Telegram. A CNN também não verificou de forma independente a nacionalidade dos perpetradores ou da vítima.

A Missão de Monitoramento de Direitos Humanos da ONU (HRMMU, na sigla em inglês) na Ucrânia disse estar chocada com os vídeos. Em um comunicado divulgado na sexta-feira, a Missão de Monitoramento disse que a “tortura e execuções sumárias de prisioneiros de guerra e pessoas fora de combate são crimes de guerra”.

A Procuradoria-Geral da Ucrânia disse que iniciou uma investigação criminal sobre o assunto, “com base nos resultados do processamento de vídeos, que mostram como pessoas com uniformes de militares das Forças Armadas da Federação Russa estão torturando um prisioneiro no uniforme de um militar das Forças Armadas da Ucrânia. Medidas estão sendo tomadas para estabelecer todas as circunstâncias do crime”.

O vídeo que aparece primeiro mostra a vítima sendo amordaçada cercada por pelo menos quatro homens, um dos quais está vestindo o que parece ser um uniforme russo com a insígnia “Z” associada à invasão da Ucrânia pela Rússia.

Um segundo vídeo mostra o mesmo homem se contorcendo no chão enquanto um homem usando luvas cirúrgicas azuis e o que parece ser um uniforme russo corta a roupa íntima da vítima com um estilete. O homem usa o mesmo estilete para castrá-lo, depois segura os genitais mutilados para a câmera.

No vídeo, os criminosos podem ser ouvidos dizendo “segure-o, segure-o” em russo.

O terceiro vídeo mostra o homem amarrado e mutilado sendo baleado na cabeça e arrastado.

A CNN entrou em contato com o Ministério da Defesa russo para comentar sobre os vídeos.

A Missão de Monitoramento da ONU disse no Facebook que “está aterrorizada com os vídeos mais recentes, aparentemente mostrando o espancamento, castração e assassinato de um soldado capturado das Forças Armadas Ucranianas por um homem, que parece ser membro das forças armadas russas ou grupos armados afiliados”.

“Em um dos vídeos, o soldado torturado aparentava ser baleado na cabeça e seu corpo arrastado para uma vala. Se confirmado, essas ações constituiriam crimes de guerra.”

A Missão de Monitoramento da ONU disse: “Infelizmente, este é apenas o mais recente de uma série de vídeos que documentam tortura e execuções extrajudiciais de prisioneiros de guerra e pessoas fora de combate, cometidos por partes beligerantes”.

“A HRMMU divulgou publicamente vídeos mostrando soldados ucranianos atirando nas pernas de três soldados russos capturados e em um caso separado atirando e matando um soldado russo ferido”, escreveu a Missão de Monitoramento da ONU.

Acrescentou: “Todas as partes devem abster-se de tortura, assassinatos e ameaças de não dar trégua aos combatentes capturados. Eles devem investigar pronta e efetivamente todas as alegações de tortura e assassinatos ilegais”.

O alto representante da União Europeia para Relações Exteriores e Política de Segurança, Josep Borrell, condenou fortemente na sexta-feira “a guerra de agressão ilegítima e injustificada da Rússia contra a Ucrânia e seu povo traz mais atrocidades horríveis dia a dia”.

“Evidências na forma de imagens de vídeo terríveis foram amplamente compartilhadas nas redes sociais pró-Kremlin hoje, nas quais soldados russos cometem uma atrocidade hedionda contra um prisioneiro de guerra ucraniano”, disse Borrell em comunicado.

A Anistia Internacional exigiu uma investigação sobre os vídeos.

“Este ataque horrível é mais um exemplo aparente de completo desrespeito pela vida e dignidade humana na Ucrânia cometido pelas forças russas. Todos os suspeitos de responsabilidade criminal devem ser investigados”, disse Marie Struthers, diretora da Anistia Internacional para a Europa Oriental e Ásia Central.

“Desde o início da guerra da Rússia contra a Ucrânia, a Anistia Internacional documentou crimes sob a lei internacional, como assassinatos sumários de prisioneiros por forças separatistas apoiadas pela Rússia no leste da Ucrânia e execuções extrajudiciais de civis ucranianos por forças russas”, disse ela.

 

Fonte: CNN Brasil.

print