Em edital, Prefeitura do Rio contraria Bolsonaro e confirma desfile de 7 de Setembro no Centro

Quatro dias depois de o presidente Jair Bolsonaro (PL) ter anunciado a transferência para a orla de Copacabana da parada militar de Sete de Setembro, a prefeitura do Rio publicou, no Diário Oficial, aviso de licitação para a montagem da estrutura do desfile em seu local tradicional, no centro da cidade.

Nos últimos anos, a Avenida Atlântica, que margeia a praia de Copacabana, se tornou um ponto de atos contra o PT e a favor de Bolsonaro – uma manifestação de apoiadores do presidente está prevista para ocorrer no local no feriado de Sete de Setembro. O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), apoia a candidatura do ex-presidente Lula (PT) ao Palácio do Planalto.

Elaborado pela Secretaria Municipal de Governo e Integridade Pública, o edital de pregão eletrônico PE-GI nº 814/2022 está disponível no portal www.comprasgovernamentais.gov.br e determina que a estrutura para o “Desfile-Cívico-Militar” deverá ser montada no entorno do Pantheon de Caxias, monumento que fica diante do Palácio Duque de Caxias, sede do Comando Militar do Leste, na Avenida Presidente Vargas, no Centro. O material inclui um croqui que detalha os trabalhos. O resumo do edital foi publicado na edição do dia 3, quarta, do DO.

A prefeitura estima um gasto de até R$ 318.035,00 com a instalação de sistema de som, montagem de tribunas e de arquibancadas para mil pessoas e colocação de 200 banheiros químicos e grades de isolamento. A licitação está marcada para ocorrer no próximo dia 15.

No último domingo, ao ser consultado pela CNN sobre a proposta do presidente de mudar o local do desfile, Eduardo Paes afirmou que soubera da intenção de Bolsonaro pelos jornais. Afirmou que, “salvo engano”, a Secretaria de Governo já estaria licitando a estrutura da parada. Ele disse que a prefeitura ficaria aberta a receber pedidos do presidente da República.

No dia seguinte, em posts no Twitter, Paes afirmou que a Avenida Atlântica “apresenta alguns desafios”. Ressaltou que todo o calçadão da praia é tombado e que o bairro tem um grande número de moradores. “Obviamente, desafios que podem ser superados desde que se tenha organização e planejamento e se permita modificações na estrutura tradicional do evento”, completou.

No fim da manhã desta quinta (4), a CNN procurou Paes e sua assessoria para saber o que a prefeitura fará caso o  Governo Federal insista na mudança de local do desfile. A CNN também entrou em contato com a Secretaria de Comunicação do governo federal e aguarda resposta.

 

Fonte: CNN Brasil.

print