BrasilEconomiaPolíticaVariedades

Governo retoma formação de estoques públicos com compra de milho

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) anunciou nesta quinta-feira (29) que vai comprar cerca de 500 mil toneladas de milho de produtores rurais. A medida atende a um pedido de estados que tiveram recorde de produção, mas enfrentam preços do cereal em baixa.

Com a comercialização, o governo federal retoma a aquisição de produtos para formação de estoques públicos, após 6 anos sem a iniciativa. De acordo com o presidente da Conab, Edegar Pretto, a medida também beneficiará os criadores que precisam do milho para a produção de ração animal.

“A Conab está voltando a fazer estoques públicos. Vamos incentivar os agricultores a plantar e vamos garantir preço mínimo para a produção. Temos uma previsão de safra recorde de milho, mas os preços estão caindo. Então iniciaremos a compra pelo milho. Com essa ação da Conab, combatemos a inflação dos alimentos, visando levar comida à mesa de todos os brasileiros e brasileiras”, afirmou Edegar Pretto.

Os produtores dos estados de Goiás, Bahia, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraná e Tocantins estão autorizados a venderem milho. O limite varia de acordo com cada estado. Por exemplo: em Mato Grosso é de até 30 mil sacas. No Mato Grosso do Sul e Goiás o limite é de 10 mil sacas, já nos demais estados a limitação é de 3,3 mil.

A comercialização será por meio do do programa de Aquisições do Governo Federal (AGF), previsto na Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM), equivalente a aproximadamente 8,3 milhões de sacas de 60 quilos do cereal.

Quem tem interesse em vender milho para a Conab precisa estar cadastrado no Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais (Sican) e deve entrar em contato com as representações regionais da companhia.

O governo exige todos os padrões cumpridos para poder finalizar a compra. Já o cereal pode ser estocado em armazéns próprios da Conab ou em unidade armazenadora credenciada pela estatal.

Fonte: CNN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *